Skip to content

Futebol

Final da década de 1990, início dos anos 2000 parei de jogar futebol, então o Everaldo era um dos últimos a ser escolhido…

Explico…

À medida que chegávamos,

íamos colocando o nome no quadro, fechado os 22 ,dois capitães intercalavam-se na divisão dos jogadores de cada time, o critério era a qualidade técnica , o Everaldo era um dos últimos a ser escolhido…

Voltei a jogar recentemente, e o Everaldo nunca parou, manutenção em dia, está lá, vigoroso no meio campo,na minha posição, só me restou a lateral, única posição na qual o tolerávamos.

Foi também a partir do final da década de 1990 que começou a decadência do Edifício Wilson Paes Leme, de prédio icônico e inovador, passou para depositário de todo o tipo de repartição pública; banco, polícia federal, INSS,depois, abandonado, refúgio para famílias de sem teto.

Se não celebrado em vida , podia ao menos ser honrado como marco de virada na política de reocupação dos centros urbanos.

Especialistas ouvidos por ocasião da tragédia apontam como alguns dos entraves ao retrofit de prédios antigos restrições diversas impostas pelos códigos de obras, lei de acessibilidade e de combate à incêndio …

No filme “baseados em fatos reais”, uma escritora famosa mora no quarto andar de um prédio em Paris e numa cena em que passa dificuldades ao subir com as compras, lamenta que a maioria dos condôminos não tenham concordado com a instalação de um elevador. Um dia cai da escada , quebra a perna e, engessada , não tem outro remédio senão subir as escadas com auxílio de muletas.

No Brasil , a entrada em vigor da Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência) parece que inviabilizará projetos de três andares sem elevadores, modelo bastante disseminado em PMCMV.

Mas ser restritivo pode ter lá suas vantagens…

No Estadão de 05 de maio , a informação de que no ranking da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre incêndios estruturais o Brasil é o 145° entre 184 países, com baixos 0,67 morte para 100 mil habitantes, muito por causa das tais normas de segurança.

Enquanto recupero o desempenho vou jogando mais plantado, presto mais atenção no que me canta o zagueiro, cerco em vez de avançar no atacante … bom senso como norma .

Norma e bom senso , bom senso e Norma , teriam resolvido grandes polêmicas e evitado tristes tragédias.

Anúncios

Vingadores

A estreia dos Vingadores lá no shopping esteve concorrida, a garotada  fretou dois ônibus de turismo e o alvoroço era grande na fila à espera da abertura da sala.

Águas Lindas cresceu rápido, e muito,hoje com 250 mil habitantes é a cidade mais populosa do entorno de Brasília, as distâncias são grandes , fossem esperar pelo transporte público decerto perderiam a primeira sessão do filme.

O prédio que caiu em São Paulo no dia do trabalhador era um ícone da arquitetura e engenharia nacional ,mas pouca gente sabia , por causa dele surgiu o termo pele de vidro , solução inovadora, até hoje cara demais pro tanto de patologia que dá e o desempenho que não, aliás, o prédio também foi um dos pioneiros na instalação do sistema de ar condicionado embutido, irmão siamês da pele de vidro.

Sempre que vou à São Paulo digo pra mim que preciso fazer um périplo pelas belas igrejas de lá , nunca cumpro e agora pronto, menos uma , a igreja luterana centenária ficou quase toda destruída, ironia do destino , seu pastor disse que haviam investido recentemente quase dois milhões de reais do próprio bolso numa reforma e alertava constantemente a quem de direito, que seu vizinho grandão inclinava mais e mais a cada ano.

A BBC Brasil apresenta a iniciativa de um dos engenheiros de concreto armado de maior renome do país, que mesmo crítico de invasões, pulou pra dentro e atuou junto aos moradores de um prédio em situação parecida ao que ruiu ,alertando-os sobre pontos de riscos e ajudando-os nas medidas de prevenção.

A meninada, o professor, o pastor não esperaram que fizessem por eles, nós do setor da construção deixamos que fosse à ruína um prédio, que às vésperas da revisão da Norma de Desempenho poderia até servir de caso a ser estudado. Tomara ao menos que não culpemos a panela de pressão da cozinheira pela queda do patrimônio histórico, que ela cuidava como se fosse a sua casa.

Medo de avião

Na folha de 20 de abril a notícia da explosão de uma turbina do avião que fazia a rota Nova York -Dallas, uma mulher, atingida pela força da corrente de ar gerada pela quebra de sua janela, acabou falecendo.

Prefiro sempre o corredor, agora por mais esta razão, fosse anos atrás nem isto, o medo era mesmo o de andar de avião, ainda bem que passou, do contrário seria sofrimento demais este pinga e volta pra São Paulo.

No workshop da Norma de Desempenho, na apresentação da construtora a foto do Gol antigo e o paralelo com o novo, ainda modelo popular ,mas agora com ABS e air bag…a indústria da construção sempre de olho aonde consegue chegar a automobilística…

Conseguir vender apartamento mais caro que o concorrente com base nos diferenciais oferecidos é um sonho que pareceu mais próximo com a entrada em vigor da Norma de Desempenho, mas a crise econômica, que potencializa a inanição tradicional no investimento em P&D, adiou, por enquanto, só mesmo a preocupação da Norma servir de bandeja para a cabeça do incorporador em eventual conflito na justiça, provocado por algum perito ou advogado que consiga traduzir o conteúdo dela de modo enviesado para o juiz.

Perdi o medo de avião, mas sempre que de noitinha ele fica dando volta meio que a esmo , aguardando a vez de aterrissar no aeroporto engarrafado de Congonhas, me pego assuntando se vale à pena tanto risco e esforço para convencer nosso setor de que o sonho daquele construtor pode sim , um dia , tornar-se realidade.

Amigos

Um amigo me liga precisando com urgência da indicação de algum engenheiro para assinar a ART da reforma do apartamento da esposa, “_sem ela nada feito para o síndico …” .

Conto pra ele que a exigência tem a ver com a norma técnica de reforma em edificações, a ABNT NBR 16280, em vigor desde abril de 2014 e que disciplina a rotina de obras e intervenções em unidades residenciais.

A razão é nobre , e penso aqui comigo como a mera adoção do conteúdo da referida norma técnica pelo síndico do prédio, tirou da zona de conforto todos os demais envolvidos no processo;

Meu amigo alegava ,irritado, estar sendo extorquido pelo engenheiro proposto pelo pintor , que foi também quem intermediou a contratação do pedreiro que trocaria o piso do apartamento…

Pode ser que na próxima obra um e outro optem por ao menos se aconselharem com um profissional especializado, lembrando que no mercado informal , não é incomum confiar mais num pedreiro que em certos profissionais especializados.

Se o síndico achar que seja o caso , pode exigir um plano da reforma para meu amigo, a norma lhe atribui esta prerrogativa, e o “engenheiro da obra” pensará melhor se assina uma ART por assinar ou se combina um preço adequado para uma consultoria completa.

Enquanto isto o síndico contrata os serviços de outro profissional especializado para fiscalizar as obras realizadas no prédio que comanda… um movimento virtuoso em que ganha toda a sociedade.

Bem-vinda a norma técnica de reforma , notadamente pelo fato de que , na contra mão da crise que assola o setor da construção como um todo, este segmento progride a todo o vapor, ao menos é o que me conta outro amigo , engenheiro e construtor especializado neste nicho e que , confidencia , nunca realizou tanto orçamento como agora .

Pretensão

O gol 1.6 vinho modelo da década de 1990 para com dificuldade no estacionamento em aclive acentuado, o motorista desce rápido ,abre o bagageiro , retira a mochila ,joga rápido nas costas e se prepara para cruzar a pista , antes espera que saia o carona, um garoto de uns 15 anos ,de camiseta,bermuda e chinelo,portando ponteiro e marreta .

É domingo, pai e filho certamente vão trabalhar em algum bico de final de semana , a pressa do pai deve ser por causa da hora, já são 8h40 , vão começar tarde….

Tenho muito interesse em conhecer melhor como funciona a informalidade na construção civil , nos dias de hoje movimenta mais da metade da riqueza que movimenta o setor da construção.

Conheci um professor do IPT num dos eventos que organizamos que realiza várias pesquisas afeitas ao tema e na semana passada o Zé Carlos conheceu o presidente da frente nacional de pequenos construtores, aonde pode haver muito deste povo…acho que agora consigo emplacar um bom projeto .

Para se ter uma ideia da força deles ,a venda de cimento para construtoras e incorporadoras só conseguiu empatar com a do balcão da loja , o formiguinhas,nos áureos tempos de aquecimento do setor.

Que tem efeito nocivo para a sociedade tem , muito imóvel ruim entregue para o público de baixa renda saiu da informalidade.

Mas tem impacto positivo também…

O Edmilson e o Arthur trabalharam muitos anos conosco, excelentes profissionais, um eletricista e outro bombeiro, hoje fazem como o pai que conheci no domingo, têm os filhos como ajudantes …

O menino que desceu do carro com ferramentas em punho era a cara do Otavio , filho da Carla e do Osvaldo , que é engenheiro , talvez vire engenheiro como o pai, se bem que parece gostar muito de história e da Grécia sabe coisa que nunca ouvi falar…

Mas se todos aqui citados optarem mesmo por seguir a profissão dos pais , desejo que o Otavio tenha a seu dispor um bom curso de engenharia, seja público ou particular , e que os filhos do Edmilson, Arthur e do pai do domingo não caiam na esparrela de que o que conta é a prática e façam um curso técnico no Senai .

Para o setor como um todo , vou cuidar primeiro de desenvolver o tal projeto que queria há anos e depois indico uma saída …

Paul Bunyan

O Estadão replica na internet em 03 de abril matéria do New York Times com o sugestivo título , pedreiros ainda estão a salvo da automatização do trabalho .

O repórter cobriu na Spec Mix Bricklayer 500, a maior competição de pedreiros do mundo , desafio entre homem e robot , e ao contrário dos desafios de xadrez , neste a máquina perdeu feio . Para piorar o papelão, nem deu acabamento que preste , pois não “sabe” fazer curvas ou arredondar cantos.

Recentemente ouvi da boca de um dos principais engenheiros de construção imobiliária dos nossos tempos , que investir em robôs para este tipo de tarefa é perda de tempo e dinheiro…o resultado do desafio talvez justifique a afirmação. Já eu, acho que em situações específicas como a do arremessador de argamassa , tratado no post Inovação na Construção Civil- Com que roupa…, contribuiria tanto no ganho de produtividade , como , e principalmente, em ergonomia, preservando a saúde do profissional.

Normalmente somos levados a pensar que nos Estados Unidos só utilizam materiais inovadores, mas a matéria nos faz lembrar da existência de bloco cerâmico nos Estados Unidos , e que seu uso por lá parece ser ainda popular , pois trata-se de insumo barato.

No Brasil , se tivéssemos de eleger um símbolo para o setor , certamente o bloco cerâmico de oito furos mereceria a eleição e , para fazer justiça, teria de ser um não conforme com as normas técnicas brasileiras , como a quase totalidade dos que utilizamos na capital federal , onde não existe , nem no estado de Goiás, onde Brasília está inserida , sequer uma olaria credenciada no Programa Setorial de Qualidade do Ministério das Cidades , inclusão que garante credibilidade ao produto.

A matéria tranquiliza os pedreiros, pois não bastasse a lerdeza dos robôs , são poucos no mundo , apenas 11 , e caros , US $ 400 mil dólares cada um.

De toda a forma é bom lembrar que também vem dos Estados Unidos a bela fábula de Paul Banyan, um lenhador gigante e popular , desbancado _para frustração da população de Fargo no estado de Dakota do Norte _por apenas meio centímetro de altura numa pilha quilométrica de lenha , pelo nanico que portava uma das grandes inovações do início do século 20, a serra elétrica.

21

Com base nos dados do CREA -DF, 80% dos engenheiros civis formados na Universidade de Brasília (UnB) não seguem a carreira à qual dedicaram ao menos 5 anos da vida.

Augusto tornou- se diretor da área de câmbio do Banco Central. Se não era dele a maior nota do curso de engenharia, MGA , então era o do irmão, Joaquim, que hoje é assessor no Senado Federal.

MGA é apenas um de tantos parâmetros para medir potencialidades e Marcello e Eduardo, que não tinham um diferenciado, souberam antever oportunidades e ficaram ricos empreendendo ,e acúmulo de capital é apenas mais um de tantos parâmetros para se avaliar realização pessoal.

No início da década de 1980 era raro encontrar alguém nascido em Brasília que estudasse na UnB . Eduardo e João Miguel eram dois de tantos goianos do interior que viam para a capital do país em busca do diploma , voltar logo pra tentar vencer  na cidade natal. O pai de um e o irmão de outro já foram prefeitos lá onde moram , mas  João Miguel nos garante que isto pra nada lhe adiantou…

Caldeira faz parte do conjunto acima , mas como não se insere na intersecção família de políticos _embora há décadas como diretor geral de empreiteira de pavimentação deva conhecer alguns_  reservei este parágrafo aqui pra ele.

A equipe de estagiários da extinta Portobrás fez história, todos ficaram bem encaminhados;  Claudião  foi indo , foi indo …e chegou a secretário do ministério dos transportes, aposentou-se e em janeiro agora foi morar nos Estados Unidos. Fabiano tornou-se bancário logo que entrou na UnB , também se aposentou, aqui e acolá envolve-se com loteamentos e até há algum tempo atrás vangloriava-se de nadar 100 m em menos de um minuto. De todos nós é o mais conservado  , outro parâmetro de realização para se avaliar . Pelas fotos o Luiz Fernando também parece bem , mas como não compareceu, não posso confirmar.

O Helio me contou que um dia foi visitar minha casa ainda em construção para conhecer de perto a monocapa , sistema construtivo que utilizei na fachada. Nas suas contas ficava caro e acabou não utilizando . Engenheiro, engenheiro mesmo , na acepção plena da profissão, parece que só ele e o Cicero , que ainda hoje é calculista, embora possa ser que se dediquem a outras funções também, e o Evilácio, que sempre que vejo está sempre garboso, muito bem vestido e arrumado.

O Joaquim, muito querido,  começou  calculista como o Cícero , mas de estrutura metálica, depois montou sua empresa , de estrutura metálica.  Retomamos contato quando trabalhamos juntos numa grande obra ,e o calculista , da estrutura metálica ,era um Grego, muito querido, conterrâneo meu .

O Luizão era uns dez anos mais velho do que a gente , gorducho , bonachão, radiava alegria…está igualzinho. Pequeno empreiteiro , nas épocas difíceis nunca se furtou em procurar os amigos para viabilizar parcerias.

O que mais nos unia era o futebol de salão. Rivalidades memoráveis entre as turmas dos diferentes semestres , entre as engenharias e entre os diversos cursos da UnB . O Xandão  era clássico, titular do Torsor _o melhor de todos os times que jogaram na nossa época_ ,logo no início da carreira montou com o Marcello o negócio da vida deles . O Zé Antônio era goleiraço de futebol de campo, salão e handebol, me encabulava vê-lo  estatelar-se no piso de concreto para evitar um gol,  hoje é assessor da Câmara Federal.

O Mauricio eu não sei o que faz hoje, não o via há mais de trinta anos, o mais espirituoso de todos nós , foi quem pela primeira vez vi lendo O planeta diário, antológico tabloide de humor, fundado pelo pessoal que criou depois o programa TV Pirata.

Eu e o André entramos juntos em 81/00. O aluno mais novo da história da UnB a cursar engenharia , lia eu com uma ponta de inveja o anúncio enorme no Correio Braziliense, pago pelo colégio onde ele estudou . Embora tivéssemos a mesma idade , eu teria de ralar ainda por dois semestres, pois havia passado para matemática, minha segunda opção.

Fabiano nos contou que começou a cursar letras na UnB , mas desistiu assim que recebeu a primeira lista de leitura obrigatória , da qual constavam Maquiavel , Lusíadas  , dentre outros.

Aqui e acolá penso que se fizesse letras poderia contar melhor esta história.